50shgrey

Somália – afinal, quem são os “piratas?”

Hoje, gostaria de compartilhar convosco um documentário deveras pequeno e sucinto, cujo idioma não deverá servir de barreira para os fluentes na língua de Camões. Em pouco mais de 20 minutos, a equipa de Juan Falque desmascara o fenómeno dos “piratas da Somália“, demonstrando também como este está ligado ao mundo industrializado – aliás, aposto que muitos de vós nem sabiam da existência desta paupérrima região Africana até a imprensa ter falado em… lá está, “piratas!”

Desde a queda de uma ditadura sem uma autarquia sucessora até ao impacto ambiental, a História da Somália nos séculos XX e XXI  até apresenta algumas mínimas semelhanças ao filme original do Godzilla – o qual, aproveito para relembrar, alertara para ameaças ambientais provocadas pelo ser Humano e possíveis consequências…

A diferença é que, nesta caso, não há ficção para nos aliviar do horror passado pelas vítimas de tudo o que levou à origem dos “piratas”:

Elucidem-me, então: quem serão efetivamente os piratas desta história?

fontes [loco mundo, envolverde]

Infância Aleatória — I GOT A ROCK!

2012 já marcou, entre muitas outras coisas, o regresso daquela que poderá ter sido a mais simbólica e influente franquia de bandas desenhadas de quatro painéis (como aquelas que se vê nos jornais) do mundo. Apesar de ser homónima de um fruto seco, a sua mascote é hoje o seu elemento mais reconhecido, gerando uma enorme linha de brinquedos, peluches e outros meios de merchandizing resistentes ao passar do tempo: um cão branco de orelhas pretas chamado Snoopy.

Desenvolvida pelo génio Charles Schulz, Peanuts relata o quotidiano de Charlie Brown, um simples rapaz careca amaldiçoado por uma vida mundana e repleta de adversidades sociais e pessoais: nunca consegue rematar uma bola, é troçado pelos seus próprios amigos, tem um cão (Snoopy) que, além de ser a imagem de marca da série, praticamente o “controla”, nunca foi abençoado pelo cupido do amor e chega a procurar ajuda psiquiátrica numa rapariga que o encara como um bode expiatório. Brown é um rapaz cujo talento não é admirado, mas que transmite sentimentos de compaixão para com alguém capaz de ser constantemente mais azarado que nós… e que, por tão mal que seja a situação, nunca desiste. E com esta série, Charles Shulz demonstrou ser possível desenvolver histórias não apenas cómicas mas também moralizadoras, sem recorrer a superpoderes ou aventuras extraordinárias… e apenas quatro simples quadradinhos desenhados e não coloridos!

por vezes nem havia muito para escrever…

Transportar esta magia para desenhos animados não foi particularmente fácil, mas eu pessoalmente considero terem conseguido algo quiçá suposto impossível: ultrapassar o próprio carisma dos painéis desenhados; e tal não teria sido possível sem uma enorme atenção – ou pura sorte – aos detalhes sonoros, tais como: a música jazz ambiente e ocasionalmente melancólica de Vince Guaraldi, as vozes amadoras das crianças que dão voz e vida aos personagens seus congéneres, e o dialecto incompreensível dos adultos, cujas figuras raramente marcavam presença.

Apesar de composta por episódios que aglomeram muitas dos excertos de Schulz, a animação de Peanuts é particularmente conhecida pelos seus episódios especiais, lançados em referência a celebrações praticadas um pouco por todo o mundo, em particular nos Estados Unidos. Os episódios mais conhecidos são o Especial de Natal – – e o do Dia das Bruxas, que ainda é transmitido na televisão anulamente. Numa nota pessoal, “A Boy Named Charlie Brown” consta da minha lista de peças de animação preferidas de sempre, dada a música introdutória algo deprimente mas expressiva e representar tudo aquilo que Charlie Brown é: um rapaz que, nem no apogeu da sua vida social, é capaz de ser minimamente feliz ou popular.

— Charlie Brown ainda não conseguiu acertar na bola, e este nem bolas consegue fazer! —

— no episódio do dia das bruxas, onde o azar de Charlie Brown é evidente… —

— exemplo de uma tradução em Português do Brasil —

Tecnologia Aleatória — Sobre rodas…

— senhoras e senhores: bem-vindos ao Futuro! —

O automóvel foi um sonho tornado realidade. Nunca teria sido possível, sem a invenção do veículo motorizado, chegar a locais longínquos numa mera questão de minutos ou horas, mas nunca dias ou meses! Ironicamente, o actual e ainda dominante carro a petróleo não foi o primeiro, mas sim o menos poluente e potente eléctrico… mas isso é história para outra altura!

— behold: the AIR CAR! —

Hoje venho-vos revelar como o sucesso destas máquinas, constantemente encaradas tanto como úteis quanto requintadas, se alastrou para outros caminhos tecnológicos, fazendo agora parte de outros gadgets dignos de fazer parte integrante do nosso dia-a-dia…

… mas só depois do clique!

Continuar a ler

Magic The Gathering Customized – Marvel vs DC

Here’s a bunch of mock-up MTG cards made using pics found on the Internet. As the title implies, this massive update is made to celebrate SUPERHERO MOVIE month, which features The Amazing Spider-man and The Dark Knight Rises, which will fill-up a year already blessed by The Avengers flick.

Just click on the card for a full-size preview:


D.C. Comics























Sociedade Aleatória Março-Abril-Maio-Junho 2012

Finalmente, após 4 meses de intervalo, está aqui o regresso da gazeta mensal Aleatória – e a primeira com um novo aspeto – cujo foco é unica e exclusivamente a aleatoriedade. Portanto, este “Sociedade Aleatória” será um pouco diferente dos outros e focado em nu-vidades que poderão nem estar ligadas aos intervalo de tempo em questão. Contudo, foi Junho o mês que mais se destacou em novidades, portanto é essencialmente neste que me irei focar.

Toda a gazeta mensal depois do clique.

Continuar a ler