Magic The Gathering Customized – Marvel vs DC

Here’s a bunch of mock-up MTG cards made using pics found on the Internet. As the title implies, this massive update is made to celebrate SUPERHERO MOVIE month, which features The Amazing Spider-man and The Dark Knight Rises, which will fill-up a year already blessed by The Avengers flick.

Just click on the card for a full-size preview:


D.C. Comics























(in)Cultos das Internétes — Microcinema e umas pipo(r)cas

“In the province of the mind, what one believes to be true either is true or becomes true.”

“No mundo mental, aquilo em que se acredita ser verdade ou é verídico ou torna-se verídico.”

– John Lilly

— “Glad it ain’t snakes…” —

A Internet é um autêntico teatro digital, de acesso gratuito — desde que se pague as contas devidas — e temas diversos. Este é mais um artigo que demonstra a veracidade de tal citação!

Anime — o Filme

Bem, que isto é aleatório! Estamos para aqui a falar de microfilmes e aparece-me uma peça de teatro à frente? De qualquer modo, é uma pequena película que muito sucintamente resume todos os finais de animação japonesa/bosses finais de videojogos/essas tretas onde existe sempre um lado negro da força mas, por algum motivo, todos resolvem os seus dilemas com porrada e espadas samurai.

Tezcatlipoca

Tez… cat… coiso é uma simples animação independente de um guião. O seu requinte visual e majestoso (apesar de familiar) ambiente musical colaboram para o desenvolvimento de um “documentário” sobre a gárgula tigresa, em muito abençoado pela magia digna de Fantasia Disney.

Do Not Disconnect

Uma pequena película que retrata um mundo onde cada pessoa está presa à sua ilusão de realidade. Uma ilusão ouvida, claro está. Que será que acontece quando uma pessoa se liberta dos auscultadores que definem a sua vida?

Hum, isto faz-me lembrar uma anedota sobre loiras… teremos de deixar isso para outra altura!

Herói Aleatório — Senhor Tê tem dó dos Idiotas

Chuck Norris é o ser supremo, Jack Bauer o terror dos Terroristas, MacGyver o Génio e Mr. T o ídolo com pena dos idiotas! A popularidade deste senhor atingiu o topo em Esquadrão Classe A, onde a maioria das pessoas o conhecia mesmo como Mr. T, e não pela personagem que interpretava – B.A. Baracus ou algo do género… – e também como “vilão” do terceiro filme do Rocky Balboa. Com um aspecto e personalidade ambos deveras característicos, agressivos e autênticos, este senhor chegou mesmo ao ponto de ser condecorado com um desenho animado sobre ele próprio e onde, exibindo uma força e capacidades paranormais, cuidava dos membros de um circo ambulante. a este grupo, pertenciam uma cambada de acrobatas genéricos, um miúdo incapaz de fazer acrobacias mas desejoso de imitar o seu ídolo e um Mr Cão!


  • Cada vez que um sino toca, Mr T tem dó de um idiota;
  • Mr T apenas fala quando necessário. A sua principal forma de comunicação é gestual, consistindo num dobrar dos braços seguido do acto de sacudir a cabeça lentamente. E independentemente da situação, todos compreendem o que ele quer dizer!
  • Todos os elementos do Esquadrão Classe A eram mestres no disfarce, excepto Mr. T. Este não precisava de se disfarçar, porque os vilões não o reconheciam de tanto medo que sentiam;
  • Mr T tem pena dos idiotas, porque até estes merecem a sua dose diária de vitamina T;
  • 23 é o número de pessoas de quem Mr T sentiu dó enquanto lias esta mensagem;
  • Mr T inventou os idiotas. Depois, arrependido do seu acto de tolice, este inventou o Dó;
  • Mr T é alérgico a maçanetas. Por isso é que ele só consegue entrar arrombando-as ao pontapé!
  • A lamentação de Mr T para com os idiotas é usada como demonstração matemática para o conceito de Infinito;
  • Por detrás de cada grande homem está uma grande mulher. Por detrás dessas grandes mulheres está Mr T;
  • A edição do Mr T do programa do canal VH1 chamado “Onde Estão Eles Agora” foi a mais curta de sempre: durou 10 segundos e consistiu numa tela a preto com a mensagem “Mesmo atrás de ti!”;
  • Mr T popularizou a frase “I see dead people — vejo pessoas mortas” quando os empregados de um McDonald’s se esqueceram do seu aniversário;
  • Mr T não é de raça negra. O Sol é que tem medo de brilhar nele;
  • Uma vez, Mr T teve dó do Sol. Seguiu-se uma Era Glaciar;
  • Foram necessários 2 anos e 5 mulheres para dar à luz Mr T;
  • Uma vez, Mr T ganhou as Olimpíadas. Todas elas!
  • Mr T nunca aprendeu a conduzir, as estradas é que se limitam a mover para onde ele está. Uma vez, um troço de estrada recusou-se a fazê-lo e Mr T teve imenso dó dela. E assim foi criado o Grand Canyon!
  • A cólera de Deus é apenas ultrapassada pela piedade de Mr T;
  • Mr T tem dó dos idiotas que não comem os seus cereais, visto esta ser a única fonte de Vitamina T;
  • Houve uma altura em que Mr T não tinha dó dos idiotas. Essa altura ficou conhecida como…

— … NUNCA! —

Fonte: [Mr. T Facts]



Quarta-Feira BizarraVinyl Rally

O senhor Lucas Abela odeia discos em formato vinyl (aquele gigantes ainda usados pelos DJ), mas adora carrinhos telecomandados e máquinas de arcada. Fundindo-se tudo isto, que se obtém? Uma pista de discos vinyl para uma competição de carrinhos telecomandados controlados por comandos de máquinas arcada – em formato cockpit de automóvel.

E assim foi apresentado no Porto, na exposição Trama 2011, a experiência Vinyl Rally. Simples… mente bizarro!

fonte [P3]

Patrocínios Aleatórios — Sou do tempo em que doía ver anúncios em intervalos…

— um (pseudo) patrocínio, da era A.I.: Antes das Internétes —

A Internet pode ser considerada uma grande contribuinte  para o incentivo ao desenvolvimento de publicidades suficientemente interessantes para compensarem os intervalos, que tanto afugentam os ansiosos pelo novo episódio da Anatomia de Gray, ou whatever…

Diria até que muitos deles ultrapassam  muita da programação agendada por aí (ao contrário do acima exibido), como estes três:

— não sei como é que conseguiram contratar duas Forças dignas do “F” maiúsculo para meras películas promotoras! —

— uma Força da Natureza… cuidado! —

E para terminar…

— gratidão fica sempre bem! —

Sociedade Aleatória — Maio 2011

Maio é um mês interessante não só porque vem antes de Junho mas também pela inclusão de um feriado paradoxal: o Dia do Trabalhador onde ninguém trabalha. Em Inglês, o nome do mês aplica-se também enquanto verbo (May). Mas há quem lhe atribua um valor especial por reunir igualmente o fim das competições Futebolísticas a nível nacional e Europeu.

Este ano, Mourinho percebeu que os “Barças” festejam com pimentos porque “com dois pimentos” é, em Catalão, algo equivalente a “com dois tomates”… naturalmente, Paulo Futre sabia disso desde há muito! Mas porquê só em Maio?

Teorias sobre a selecção deste mês dispersam-se: há quem defenda ser influência Clássica (apontando para a deusa Maia ou para os “maiores”, os membros mais velhos da sociedade em contraste com Junho — jovens), mas também existem defensores de uma conspiração do núcleo britânico o qual, recorrendo a tecnologia “Amaricana” — o continente ao qual ambicionam pertencer –, conseguiram colocar toda a União Europeia em estado de coma, implementando a cada um dos seus líderes a ideia de que Maio sempre foi, de facto, a era do desporto-rei… mas isto será tema de outros artigos, vamos lá aos acontecimentos!


A melhor nu-tícia da Actualidade

A quinta edição de figuras LEGO Minifig já foi anunciada, e conta com alguns dos melhores modelos de sempre. Fim da história!

fonte: Brothers Brick


Autópsia “Limpa”

-- investigações sanitárias levam a factos dolorosos --

A morte de uma pessoa traz sempre angústia para algum dos seus, e não é qualquer um que consente a submissão do cadáver do seu para fins de autópsia, pois as técnicas envolvidas no diagnóstico danificam severamente o corpo. A fim de ultrapassar esta dificuldade, foi desenvolvido um método de identificar a causa da morte mais rentável e eticamente aceitável, e os resultados têm sido positivos:

(…) foi testada em 33 cadávers e conseguiu determinar com sucesso a causa da morte em 80 por cento dos casos.

fonte: Ciência Hoje


Telemóvel de Papel

Apesar de aparentar ser retirado directamente de um filme Sci-Fi, este poderá ser o nosso Futuro dentro de 5 anos: um dispositivo à base de papel apto a reconhecer acções de dobragem em regiões específicas no lugar de botões ou uma tela táctil… mas parece interessante? Confesso que não me cativa muito!

fonte: Ciência Hoje


Outras Nu-tícias

-- tecnicamente, o mundo acabou para os fãs da Oprah... 
a menos que contemos com o canal dela! --

Para terminar, segue-se um clip daquele que já é considerado o melhor reality show Chinês da actualidade:

Jogo-de-Internétes Aleatório — The Great Gatsby

The Great Gatsby é um conto do senhor Fitzgerald — posteriormente adaptado para o cinema —, decorrente após (durante?) a primeira grande guerra e… e se… uh… tivesse um jogo…

–seria patrocinado pelos Cigarros do Lórde! —

Inspirado nos jogos dos anos 80, The Great Gatsby conta com um elenco vago e pobre, onde os momento cinematográficos são tão insignificantes quanto desnecessários… e ainda bem, estamos aqui para jogar, não ver sessões cinematográficas num produto interactivo — em suma: se não conhecem a história original, não irão perceber nada… nem interessa, porque o jogo é para ser jogado— até para um parágrafo sobre entretenimento interactivo virtual, as palavras da família “jogo” foram excessivamente repetidas… peço desculpa!

Sendo um jogo de plataformas simples e peculiarmente acessível, aqui tomamos o controlo de um gentleman munido de um chapéu/bomerangue para eliminar os malvados bêbedos nas ruas, olhos gigantes e outras figuras extraordinariamente retratadas quanto ameaças à humanidade. Os visuais são extremamente carismáticos, apesar de ambíguos — a sério: alguém me explica o que fiz? —. Contudo, no passado dos 8-bit era tudo assim, pelo que esta “ambiguidade” é, claramente, propositada. Os efeitos sonoros seguem o mesmo caminho — até o som da activação da “PAUSA” do jogo se assemelha descaradamente a um jogo Konami!

— e claro, não podiam faltar os diálogos foleiros. Ou isso ou nada! —

Portanto, é tomando o controlo de uma espécie de baliarino — atentem ao modo como ele salta! — que teremos de atravessar cenários da esquerda para a direita… porque era assim que tudo funcionava! Contarão também com uma barra de energia (que uma vez esvaziada por causa de contacto com inimigos e projécteis resulta em morte), tempo limite para conclusão das “missões” e até um objecto que, à semelhança da flor de fogo do Super Mario, nos transforma num bailarino dourado com um super chapéu/bumerangue/whatever!

  • número de vidas: check!
  • pontuação inutil: check!
  • tempo limite: check!
  • numeração do nível a-la Castlevania: check!
  • quadradinhos de vida e de boss: double check!
  • dinheiro não usado: check!

Os comandos? Recorre-se somente ao teclado: setas para movimentação, Espaço para salto e Z para disparar o chapéu/bumerangue/whatever-that-is… enfim, para usar a arma! E ENTER para pausa.

Este clássico é jogável via browser (enfim, o programa usado para a Internet), clicando directamente aqui.